• Turismo

    Monday, 21-Jun-2021 15:57:11 -03

    Gonçalves, no sul de Minas, tem comida roceira e invencionices

    RAFAEL MOSNA
    ENVIADO ESPECIAL A GONÇALVES (MG)

    31/05/2012 07h00

    Torresmos ultrapururucas, carne de porco na lata, bolinhos de arroz e porção de pinhão ao alecrim. Tudo bem servido e em quantidades suficientes para cinco pessoas. Com bebidas, sobremesa e café, R$ 9 cada um.

    Café colonial pode chegar à mesa com até 45 itens em Nova Petrópolis (RS)
    Vale dos Vinhedos reserva roteiro enogastronômico
    Domingos Martins, na região serrana do Espírito Santo, guarda cultura imigrante
    Parque da Pedra Azul abriga mata nativa e piscinas naturais

    No restaurante da Vilma (0/xx/35/9873-0896), na zona rural de Gonçalves (sul de Minas Gerais), quem preferir também pode se servir diretamente do fogão a lenha -R$ 20, com comida à vontade. Sobre as chamas, ainda estão pratos como tutu, arroz, feijão, mandioquinha desmanchando em pouca água e galinha caipira ao molho --inteira, aos pedaços, com direito a pés e pescoço.

    Nas mesas próximas ao jardim, onde beija-flores ficam enlouquecidos com os minirreservatórios plásticos em forma de flores carregados de água com açúcar, estão presentes turistas e peões locais.

    No caminho da comilança, atente para a bifurcação na estrada de terra com destino ao bairro dos Venâncios. Ambas as direções levam ao restaurante, mas a que indica um caminho mais curto tem subidas bem íngremes, e carros convencionais podem penar antes de chegar ao local.

    Rafael Mosna/Folhapress
    Medalhão suíno ao melaço de cachaça, arroz com pinhão e virado de banana do restaurante Sauá
    Medalhão suíno ao melaço de cachaça, arroz com pinhão e virado de banana do restaurante Sauá

    No centro, a fachada do Kitanda esconde um quintal onde a chef Tanea Romão prepara um menu fixo e bem servido (R$ 44), com comida brasileira acompanhada de chutneys e geleias --e elas não estão lá para serem passadas em uma torrada, mas sim harmonizarem com a comida.

    Entram aí, para acompanhar pães, torresmos, biscoitos de polvilho fritos, bolinhos de arroz e outros, combinações como a de cambuci com cachaça e a de manteiga com geleia de pimenta.

    PARA TURISTA PAGAR

    Ainda no centro da cidade, o novo Rosa Madeira parece um restaurante playboy paulistano --os preços do cardápio, pelo menos, estão quase lá.

    A comida, de toda forma, é bem-feitinha e toda preparada na casa, segundo a atendente. No cardápio, reina o couvert (R$ 16 a porção), com pão crocante de castanha-do-pará, servido no espeto ao lado de "terrine" de queijo de cabra com manjericão, além de requeijão artesanal com curry de banana e pãezinhos.

    Entre os pratos, valem a garfada o risoto de baião de dois (R$ 42) e o (quase) apimentado sorrentine, tipo de macarrão, recheado com costelinha de porco (R$ 45).

    Carolina Daffara/Editoria de Arte

    A 2 km dali, são as massas caseiras o carro-chefe do Nó de Pinho. Lá, quem pedir a cesta de parmesão com "cappelletti" de mozarela de búfala ao molho de shimeji e shiitake (R$ 46) deixará triste todo o resto da mesa --difícil não se arrepender de ter escolhido outro item do menu depois de provar a tal pasta recheada do prato alheio.

    Com uma vista panorâmica da serra da Mantiqueira e mais distante, o restaurante Sauá tem inventivas como o mignon com mostarda de Dijon, pinhão e purê de inhame com arroz (R$ 44) e o medalhão suíno ao melaço de cachaça, arroz com pinhão e virado de banana (R$ 41).

    Antes do fim, espere uns 15 minutos na rede até que fique pronta a torta de maçã (R$ 17) ou, melhor, opte pela banana grelhada com doce de leite e paçoca (R$ 15). Pronto.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2021