• Equilíbrio e Saúde

    Sunday, 09-Dec-2018 19:23:30 -02

    Cantar melhora capacidade pulmonar, fortalece músculos e relaxa

    MANUELA MINNS
    COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

    19/04/2011 08h30

    Cantar é divertido, quem não sabe. E é bem mais que isso: mexe com várias partes do corpo, faz bem à saúde.

    Para começar, quem canta melhora a capacidade pulmonar e o sistema imunológico, fortalece a barriga e alivia o estresse.

    Cantoria ajuda a reorganizar cérebro, diz estudo
    Aprenda exercícios para aquecer a voz

    Daniel Marenco/Folhapress
    Jane Tapxure, 97, canta em karaokê na Liberdade, em São Paulo
    Jane Tapxure, 62, canta em karaokê na Liberdade, em São Paulo

    O professor Graham Welch, especialista em Educação Musical da Universidade de Londres e pesquisador, diz que o canto ativa o corpo e a mente.

    Cantar é uma atividade física, psicológica, social e musical. Diferentes sistemas modulares no cérebro são usados para lidar com as características musicais do canto, como o tom, o ritmo e as letras, e integrá-las.

    "Há um entrelaçamento dos sistemas nervoso, endócrino e imunológico", diz ele.

    O sistema nervoso é responsável pelo ato de cantar. Há também um envolvimento emocional com o som humano, desenvolvido na fase fetal, e um diálogo da pessoa com seu corpo, seu sistema respiratório e os espaços que oferecerá para essa voz soar.

    "Cantar não é só da boca para fora. Todo instrumento tem espaço interno e externo de ressonância, inclusive o corpo. A voz preenche o corpo, a melodia e a letra que escolhemos", diz a fonoaudióloga Mônica Montenegro, professora da USP.

    A neurologista Paula Viana Wackermann, que desenvolveu pesquisa pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto com cantores líricos, diz que a atividade induz a um estado de prazer.

    O nível de cortisol (hormônio do estresse) fica reduzido, não importando se a pessoa é afinada ou não.

    "A sensação de bem-estar é aumentada pelo efeito sociopsicológico de fazer música como parte de um grupo", completa Welch.

    Mesmo quem canta sozinho, acompanhando um CD ou iPod, sente esses benefícios. O sentido de se envolver em uma atividade compartilhada permanece.

    "Cansei de chegar triste ao karaokê e sair de lá muito bem", diz Jane Tapxure, 62 anos, dona de um pet shop.

    Com o fim do casamento de 30 anos, ela passou dois anos deprimida, chorando no sofá. Até que uma amiga a chamou para cantar.

    Jane, que é fã de música italiana e Frank Sinatra, conta que voltou a sair de casa e a se arrumar. No karaokê, ela formou um grupo de amigos de idades variadas, que se encontra toda semana, comemora aniversários e faz festas temáticas, como Halloween e até do pijama.

    "É uma farra. Lá você não é julgado por ninguém."

    IMUNIDADE

    A cantoria ativa os sistemas cardiovascular e respiratório. O aumento da ventilação e da capacidade pulmonar melhora o condicionamento físico e mental.

    Os músculos abdominais ficam fortalecidos e os faciais, tonificados. Estudos sugerem que cantores têm sistema de defesa melhor.

    "Acredita-se que estados mentais positivos e de relaxamento induzidos pelo canto sejam responsáveis por um aumento na secreção da imunoglobulina A, responsável pela defesa contra infecções bacterianas ou virais das vias aéreas superiores", explica a neurologista Paula Viana Wackermann.

    Mesmo quem não quer ou não está em condições de soltar o gogó pode se beneficiar da cantoria alheia.

    "Estudos apontam que escutar músicas prazerosas está relacionado à liberação de serotonina, que é o neuropeptídio da alegria, do prazer", afirma a neurologista Paula Wackermann.

    O ato de fazer o bem ao próximo por meio do canto é praticado pelos hindus há séculos. As sessões de "kirtan", que são vocalizações de mantras em grupo, com instrumentos, são vistas como um ato de doação.

    Alessandro Shinoda/Folhapress
    A professora indiana Ratnabali Adhikari, 55, em sua casa
    A professora indiana Ratnabali Adhikari, 55, em sua casa

    MEDITAÇÃO

    A professora de canto indiano Ratnabali Adhikari, natural de Calcutá, Índia, explica que entoar mantras é um tipo de meditação.

    Os mantras têm uma sequência sonora e uma representação significativa.

    Quando cantados repetidamente, é como se mandássemos sinais positivos para os neurônios que, por sua vez, levam essa mensagem para o corpo todo.

    "O mantra ajuda a focar a mente e deixá-la em equilíbrio com o corpo."

    "Ao cantar em grupo, as pessoas fazem bem a si mesmas e, espalhando essa harmonia pelo universo, beneficiam todos os outros seres", diz Ratnabali, que vive há 30 anos no Brasil.

    A professora afirma que é preciso inspirar profundamente e, na expiração, entoar o mantra.

    A coluna deve estar ereta para a energia vital, chamada de prana, fluir.

    Entender o que se está cantando e pronunciar direito as palavras para não trocar seus significados é legal, ajuda a potencializar os benefícios dos mantras, segundo a professora indiana.

    Mas não é preciso falar sânscrito nem entender a letra para tirar proveito de uma boa cantoria.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2018