• Equilíbrio e Saúde

    Thursday, 27-Jan-2022 03:25:43 -03

    Após tirar mamas, Angelina Jolie remove ovários para evitar câncer

    GABRIEL ALVES
    DE SÃO PAULO

    24/03/2015 07h25

    A atriz e cineasta Angelina Jolie, 39, anunciou nesta terça (24) a remoção de seus ovários e das tubas uterinas como uma maneira de prevenir o câncer. Em 2013, pelo mesmo motivo, ela já tinha removido as suas duas mamas.

    Jolie possui uma uma cópia defeituosa do BRCA1, um dos genes responsáveis por suprimir o aparecimento de tumores no tecido mamário e também em outros órgãos, como ovários e intestino.

    Alex Argozino/Editoria de Arte/Folhapress
    Angelina Jolie

    É provável que ela tenha herdado tal gene de sua mãe, que, assim como uma tia e a avó materna, morreu de câncer. Com essa versão do gene, Angelina teria um risco de 87% de desenvolver câncer de mama e de 50% de desenvolver câncer de ovário.

    Um dos principais problemas decorrentes da remoção dos ovários é a menopausa precoce, o que significa maior risco de osteoporose, redução da libido, da lubrificação vaginal e da elasticidade da pele, diz Jacques Tabacof, do Centro Paulista de Oncologia.

    Ele diz que no caso do aparecimento de uma mutação, é recomendável que a mulher tenha logo os filhos que deseja e faça um acompanhamento de perto dos ovários. Só após os 35 anos é recomendada a remoção dos ovários.

    "É importante ressaltar que, mesmo removendo os ovários ou as mamas, ainda existe um risco residual de ter câncer", diz o geneticista Ciro Martinhago. "O câncer é uma doença multifatorial. Pode haver influência de outros genes e de outros fatores, como alimentação e ambiente."

    "Eu não fiz isso [remoção dos ovários] apenas porque eu tenho uma mutação", escreveu Jolie em artigo no jornal "The New York Times". "Um resultado positivo para o BRCA não significa que uma cirurgia seja necessária. É preciso avaliar as opções."

    Entre elas, estão o rastreamento contínuo desde cedo de possíveis tumores, mudanças no estilo de vida, terapias com medicamentos e até quimioterapia preventiva.

    Quando Jolie retirou as mamas, muitas pacientes com câncer mamário procuraram médicos para perguntar sobre o método, diz Evanius Wiermann, presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica. "Foram meses só para justificar as escolhas do tratamento para as pacientes, que são rigorosamente iguais no Brasil e nos EUA."

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2022