• Mercado

    Wednesday, 22-May-2024 01:30:46 -03

    Terceirização votada na Câmara tem 3 itens pró-trabalhador; Senado tem 50

    RANIER BRAGON
    DÉBORA ÁLVARES
    DE BRASÍLIA

    23/03/2017 16h34 - Atualizado às 09h28

    Marcos Santos/USP Imagens
    Site que permite conferir informações e saldo do FGTS apresenta instabilidade
    Carteira de trabalho; terceirização votada na Câmara tem 3 itens pró-trabalhador; Senado tem 50

    A movimentação da base de Michel Temer para regulamentar a terceirização no Brasil tem como base dois projetos que, embora tratem do mesmo tema, são consideravelmente distintos ao listar salvaguardas aos trabalhadores.

    A Câmara aprovou nesta quarta (22) e enviou à sanção de Temer um texto de 1998 que cabe em quatro páginas e que traz apenas três salvaguardas genéricas aos trabalhadores terceirizados.

    Ele diz que esses funcionários não poderão realizar serviços diferentes daqueles para os quais foram contratados, que terão as mesmas condições de segurança, higiene e salubridade dos empregados da "empresa-mãe" e que estarão abrangidos nas regras da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) sobre fiscalização.

    Terceirização: como fica

    Já o projeto de regulamentação da terceirização debatido em 2015 e que hoje tramita no Senado tem 16 páginas e ao menos 50 salvaguardas aos empregados terceirizados —número que irá aumentar, de acordo com relator, o senador de oposição Paulo Paim (PT-RS).

    MANOBRA

    O texto aprovado pelo plenário da Câmara nesta quarta havia passado em uma primeira votação na Câmara em 2000. Em 2002 o Senado também o aprovou, com modificações. Na época, apenas 12 dos atuais 81 senadores estavam no exercício do mandato. Com isso, o texto voltou para a Câmara para a palavra final.

    Só que ele ficou engavetado por 15 anos sem votação no plenário, em um "limbo legislativo" em que dormitam projetos que não se enquadram nos critérios de arquivamento automático ao fim de cada legislatura (os já aprovados pelo Senado estão nessa categoria).

    Como a atual composição do Senado vinha resistindo a aprovar o projeto de terceirização de 2015, aquele com as pelo menos 50 salvaguardas aos trabalhadores, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), desengavetou o texto de 1998.

    Terceirização
    Entenda a discussão trabalhista

    Isso porque bastava apenas a nova votação dos deputados para ele seguir para a sanção de Temer. Tanto Maia quanto Temer defendem a possibilidade de ampla terceirização.

    O presidente da Câmara já havia dito que, em sua visão, salvaguardas demais têm levado a desemprego no Brasil e emprego no exterior. Ele voltou a rebater nesta quinta (23) as críticas de que haverá precarização do trabalho. O seu argumento é que menos amarras aos empresários é uma das melhores formas de se combater o desemprego.

    Também nessa quinta, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), afirmou que a Casa deverá votar nos próximos dias o projeto de 2015, dando a Temer a possibilidade de selecionar, nos dois textos, o que pretende sancionar ou vetar.

    GARANTIAS

    Entre as 50 salvaguardas desse projeto estão, além das três aprovadas no projeto da Câmara, restrições para evitar que as empresas demitam seus funcionários e os recontratem na sequência como terceirizados, obrigatoriedade de a "empresa-mãe" fiscalizar se a terceirizadora está cumprindo suas obrigações trabalhistas e previdenciárias, e garantia ao terceirizados dos mesmos serviços de alimentação, transporte e atendimento médico dos contratados diretamente.

    O projeto também estabelece que a empresa-mãe e a terceirizadora têm responsabilidade "solidária" em eventuais débitos com o trabalhador. No que passou na Câmara, o trabalhador deverá, primeiro, procurar cobrar a terceirizadora (responsabilidade subsidiária da "empresa-mãe").

    *

    Projetos em conflito

    Projeto de 2015 ainda pode passar pelo Senado; veja diferenças

    icone terceirização

    Responsabilidade das empresas

    Como é hoje
    O funcionário pode acionar a empresa na justiça para cobrar direitos trabalhistas

    Como ficou na Câmara (2017)
    O funcionário pode acionar a terceirizada para cobrar eventuais direitos trabalhistas. A contratante tem responsabilidade subsidiária

    Como está no Senado (desde 2015)
    A contratante e a contratada têm responsabilidade solidária em relação a débitos trabalhistas e previdenciários

    Arte terceirização - vinheta 2

    Garantias e exigências

    Como é hoje
    Não há exigência de capital social mínimo

    Como ficou na Câmara (2017)
    O projeto estabelece faixas de capital social conforme o número de funcionários

    Como está no Senado (desde 2015)
    Lei exigiria que empresa terceirizada tenha apenas um objeto social, compatível com o serviço contratado

    Arte terceirização - vinheta 3

    Benefícios trabalhistas

    Como é hoje
    Trabalhadores que exercem as mesmas funções devem receber benefícios iguais. Se a empresa oferece como benefício um carro a seus gerentes, todos eles têm direito ao carro

    Como ficou na Câmara (2017)
    O gerente contratado da empresa original terá direito aos benefícios, mas a prestadora do serviço não precisará oferecer o benefício a seus funcionários, mesmo que exerçam o mesmo cargo na empresa tomadora

    Como está no Senado (desde 2015)
    Funcionários da empresa original e da prestadora de serviço teriam benefícios equiparados

    Arte terceirização - vinheta 4

    Direitos trabalhistas

    Como é hoje
    Trabalhador tem direito a férias de 30 dias com adicional de um terço do salário, 13º salário, FGTS, hora-extra, licença-maternidade e licença-paternidade, adicional noturno, aviso prévio e seguro-desemprego, entre outros

    Como ficou na Câmara (2017) e como está no Senado (desde 2015)
    Permanecem os mesmos. O que muda é que o contrato de trabalho é lavrado entre a prestadora e o terceirizado

    Arte terceirização - vinheta 5

    Atividade que pode ser terceirizada

    Como é hoje
    Atividades-meio. Um escritório de contabilidade pode contratar uma empresa para fazer a limpeza do local, mas não contadores, que é sua atividade-fim

    Como ficou na Câmara (2017) e como está no Senado (desde 2015)
    Em tese, a empresa de contabilidade poderia terceirizar a contratação de contadores. Mas há a avaliação de que, por se tratar de ponto estratégico, não faria sentido

    -

    Exemplos de terceirização

    O que muda e o que fica igual com o projeto aprovado na Câmara

    EXEMPLO 1: Um profissional responsável pela pintura na linha de produção de uma fábrica de peças de móveis

    Como é hoje

    Arte terceirização - exemplo2

    Ele é empregado da fábrica. Por fazer parte da atividade-fim (fabricar carros), não pode ser terceirizado

    O que muda

    Arte terceirização - exemplo1

    Por ter uma função especializada, ele pode ser terceirizado. Ele continua tendo carteira assinada e direitos trabalhistas, mas com a prestadora de serviços, e não com a montadora

    O que não pode
    A montadora não pode tratá-lo como empregado, ou seja, direcionar seu trabalho, controlar suas faltas ou a sua jornada de trabalho

    -

    EXEMPLO 2: Uma tradutora presta serviços diariamente em uma empresa privada, mas é "pejotizada", ou seja, recebe como pessoa jurídica

    Como é hoje

    Arte terceirização - exemplo 2

    Se há subordinação ao chefe, não é uma relação eventual e há pessoalidade, é uma relação de emprego, ou seja, é ilegal contratar como pessoa jurídica

    O que muda
    Nada. A situação continua ilegal

    O que não pode
    A empresa pode terceirizar seus serviços de tradução, mas não pode manter uma relação de trabalho com a tradutora sem formalizar os direitos

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2024